Netuno

Ser polemico não me parece suficiente, é necessário salvar o mundo. O ancião.netuniano depois de matar o Space Ghost esta aqui para realizar essa tarefa. Negando em seu cotidiano terrestre a natureza humana mais intrínseca: ser arrebanhado por idéias comuns a aqueles táxons terminais da filogenia dos vertebrados de tetas. Aqui estão reunidos comentários e insanidades sobre economia, política e cultura.

Tuesday, June 27, 2006

A Ciência na Arte.

Aphrodite known as "Venus de Milo" Late 2nd century BC. Parian marble Sculpture

Longe de ser um artista, antes disso um cético pesquisador de coisas estranhas, me permito uma pequena dissertação sobre a imperfeição em seção de fotografias do Museu de Artes de Ribeirão Preto. Diante de tudo que vi, uma coleção de cenas em tons cinzentados, acerca da urbanidade paulista, me veio a obvia questão: por que não são essas perfeitas?

Diante de toda perfeição ignoramos o modo do como isso se tornou perfeito, como se aquilo tivesse se materializado diante de nos espectadores. Possivelmente isso seja o nosso sentimento mais religioso, nossa maior proximidade com o divino. Como se estivéssemos na pirâmide de Quéops, que certa manhã Amón-Ha, convocando uma horda de alienígenas, tivesse construído para sua morada, com todos os imensos blocos que a compõe; ou que subitamente uma alma sensual entrou num bloco de pedra e eis a Vênus, que agora deseja seduzir os homens através do mármore. O artista, tal como o profeta, sabe que sua obra só tem efeito pleno quando suscita a crença num ato improvisado, num miraculoso brotar; e assim ele induz a ilusão. O artista induz assim todos os elementos que nos inquietam e nos fascinam e também gera a confusão como um artifício enganoso para que o espectador creia que a perfeição tenha brotado naquela obra.

A ciência da arte deve duelar firmemente a essa ilusão e apontar os enganos ao intelecto mal acostumado, que nos faz cair nas malhas do artista. Pois obvio que não nos adianta gostar da obra, é necessário que a entendamos. Como Nietzsche escreveu.

0 Comments:

Post a Comment

<< Home